Programação 9º Festival de Cinema da Lapa

FESTIVAL DE CINEMA DA LAPA – de 1 a 3 de dezembro de 2016
Auditório da Secretaria da Educação - Lapa-PR
Clique no link abaixo e veja toda a programação do evento

O SMOKING - Elegante, Clássico, Eterno


Marlene Dietrich, vestiu no cinema no filme Marroco 1933, mas foi Yves Saint Laurent, que se despediu do mundo da moda onde se dedicou por mais de 40 anos sempre com enorme
sucesso que trouxe o modelo smoking para o mundo real. Nascia uma nova atitude que exalava poder e prezava igualdade entre homens e mulheres.
Em 1966 criou o traje smoking feminino “LE SMOKING” como ficou conhecido, tornou-se a vestimenta preferida e escolhida por inúmeras personalidades mundiais, e estrelas de cinema.


Entre elas, Catherine Deneuve, musa do estilista, Bianca Jagger e também Lady Di.
Desde que surgiu,  o traje ganha detalhes diferenciados a cada temporada. Aparece surpreendente de várias maneiras, hora com mangas largas, ou estreitas, com minissaias usados por  os mais jovens, com transparências no colo, regatas de renda ou cetim ou golas diferenciadas.
Hoje você pode investir no  vestido preto clássico ou no tripé smoking (camisa com gola de cetim e calça ampla e roubar a cena em  qualquer solenidade). YSL ao despedir-se do mundo da moda em 2002, no seu ultimo discurso  disse  “Digo a mim mesmo que criei o guarda roupa da mulher contemporânea, participei da transformação da minha época. Eu o fiz com roupas, o que é certamente menos importante do que a música, a arquitetura, a pintura e várias outras artes, mas, seja como for eu o fiz”
Em 1980, Catherine Deneuve – atriz Francesa disse “Realmente me sinto uma mulher diferente, vestir  um smoking muda  meus gestos”.  Yves Saint  Laurent deu a mulher uma nova atitude, libertária e altamente sensual.



50 anos depois quando os designers recorrem a todas as épocas e referencias para criar o novo e conquistar a mulher contemporânea a resposta do estilista francês ainda é mais apropriada.
Se você tem um gosto especial por smoking e camisas, o estilo garçonne propõe um jeito chique de tornar a influência masculina mais atraente. Uma nova maneira de usa-lo um mix de alfaiataria impecável com itens que amenizam sisudez com fendas e transparências.
No mundo da moda estilistas  como Karl Lagerfeld, na Channel investiu em blazers de tramas ricas usados sobre a pele.
Diane Von Furstemberg abordou a tese de forma fácil a ser absorvida, combinou top com a sóbria calça. 

Lançamento do novo livro de Luiz Carlos Borges da Silveira

 A obra de Luiz Carlos Borges da Silveira, criador do “Zé Gotinha”, faz uma análise completa das três últimas décadas da política brasileira
Na próxima segunda-feira, 21 de novembro, o ex-ministro Luiz Carlos Borges da Silveira, que ocupou a pasta da saúde entre os anos de 1987 e 1989, no governo de José Sarney, lançará oficialmente seu novo livro: “30 Anos da Nova República”. A obra retrata o período que vai do fim da ditadura militar e eleição do primeiro presidente civil (Tancredo Neves, eleito pelo Colégio Eleitoral), no ano de 1985, ao início do governo Michel Temer.

“Os trinta anos completaram-se em 2015, porém a narrativa foi prolongada em face do processo de impeachment de Dilma, instauração da Operação Lava Jato e cassação do presidente da Câmara Federal deputado Eduardo Cunha. A ampliação foi necessária para não ocorrer um vácuo no conteúdo histórico”, explica Borges da Silveira.

O livro enfoca a transição do período ditatorial para redemocratização, com a transferência do poder aos civis e os acontecimentos que se seguiram. Tal período foi muito importante com avanços relevantes e fatos positivos, como a convocação da Assembleia Nacional Constituinte, reformulação de políticas públicas, combate à inflação, reequilíbrio da economia e estabilização da moeda, principalmente com o sucesso do Plano Real. “Infelizmente, ocorreram episódios negativos no período, entre os quais dois presidentes afastados por irregularidades e dois grandes escândalos de corrupção, o Mensalão e o Petrolão. Também ocorreram algumas crises econômicas e políticas, o que é de certa forma natural”, observa.

A obra tem um enfoque histórico nos acontecimentos que marcaram a vida brasileira nas últimas três décadas. “Serve para que as novas gerações tomem conhecimento dos fatos e as gerações anteriores relembrem, pois, o brasileiro tem a tendência de não preservar a memória histórica ou desinteressar-se pelo assunto. Acredito que este trabalho vai oferecer relevante contribuição, inclusive como obra de pesquisa”, diz.

Para o autor, o trabalho pode contribuir para que os brasileiros reconquistem a vontade de participar politicamente, influindo nas decisões dos governantes. “Houve período de distanciamento, mas isso passou. Os protestos e manifestações em 2013 foram um bom despertar. O efeito social e emocional da Operação Lava Jato será extremamente benéfico se a sociedade entender que o país pode ser passado a limpo e efetivamente colaborar no sentido de participar e ter voz ativa através da política, que é o caminho numa sociedade democrática”, afirma.

A obra “30 Anos da Nova República” baseia-se em registros oficiais, relatos da mídia, entrevistas e observações pessoais do autor, que teve intensa participação política tendo sido deputado federal por três mandatos (inclusive deputado constituinte) e Ministro da Saúde, além de desenvolver ampla atuação partidária. Como ministro, Luiz Carlos Borges da Silveira foi responsável, por exemplo, pela criação do “Zé Gotinha”, da Rede de Hemocentros e das primeiras campanhas de combate ao fumo, entre elas a famosa frase “O Ministério da Saúde adverte: Fumar é prejudicial à saúde”.

O lançamento oficial do livro “30 Anos da Nova República” será realizado no dia 21 de novembro, a partir das 18h, na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), que fica na Praça Nossa Senhora do Salete (s/n), no bairro Centro Cívico, em Curitiba. A obra estará disponível para compra nas principais livrarias do Brasil.